Fotos mostram torcidas organizadas de CSA e CRB "armadas"; guerra matou 7 em sete meses

14/03/2011 19h15
Redação / Lancenet

Torcedores de CRB e CSA posam com armas em fotos divulgadas na internet  (Crédito: Reprodução)
Torcedores de CRB e CSA posam com armas em fotos divulgadas na internet (Crédito: Reprodução)

Reportagem do jornal Lance, publicada na tarde desta segunda-feira, aponta que sete torcedores foram mortos em sete meses no estado, segundo dados oficiais do Estado. A reportagem traz ainda fotos de integrantes de torcidas organizadas Comando e Mancha Azul posam armados.

Confira o texto:

Amigos desde a infância, Cristiano e Filipe foram assassinados a tiros em agosto passado quando iam para o Estádio Rei Pelé, em Maceió. O motivo: usavam camisetas do CSA e cruzaram com torcedores do rivalCRB. Os jovens, na época com 17 e 16 anos, respectivamente, não costumavam ir aos jogos, não pertenciam a torcidas organizadas e nem tinham histórico de brigas. Foram mortos somente porque estavam em uma parada de ônibus próximos a pessoas envolvidas com gangues.

– Pelos disparos que atingiram as vítimas, percebe-se que são típicos de execução – diz um trecho do relatório de investigação do delegado Ronilson Medeiros, responsável pelo caso, ao qual o LANCENET! teve acesso com exclusividade.

O duplo homicídio é um dos casos mais chocantes de uma guerra instalada entre torcedores do CRB e CSA. Oficialmente, as brigas deixaram sete mortos em sete meses e dezenas de feridos em confrontos cada vez mais sangrentos. O número é alarmante (maior do que os casos registrados no Rio, São Paulo e Minas Gerais), mas pode ser maior.

Um homem de 32 anos disse em depoimento à Polícia Civil que aproximadamente 70 pessoas teriam sido assassinadas desde 2008 devido às rixas. Ele foi ouvido após sobreviver ao ataque a facadas por cinco torcedores. Verdade ou delírio?

– Infelizmente, a declaração dele pode ser uma realidade. Há muitos homicídios inicialmente sem motivação. Só depois a gente descobre que eram brigas de torcidas rivais – afirma a delegada Maria Aparecida Araújo, encarregada da área no entorno do Estádio Rei Pelé.

A violência vista nos últimos anos deu as caras logo no começo de 2011. Em janeiro, na véspera do primeiro do clássico do ano, Adriano Freitas, 20 anos, foi assassinado por torcedores do CSA. No dia do jogo, nove ônibus foram depredados e pessoas feridas. Autoridades resolveram agir porque a situação tornou-se insustentável.

Confira bate-bola com a delegada Maria Aparecida:

LANCENET!: O que a Polícia Civil tem feito para acabar com os crimes envolvendo torcidas?
MARIA APARECIDA:
Todos os crimes são investigados. Muitos casos de homicídio inicialmente não aparece como briga de torcida porque não é em dia de jogo. Mas quando começamos a investigar, a ouvir as pessoas, constatamos que essas rixas são a origem. E a vingança entre os grupos resulta em mais mortes.

LNET!: Mas as pessoas envolvidas estão ligadas às torcidas organizadas?

Alguns sim. Outros apenas usam camisetas ligadas às torcidas. O difícil é esclarecer qual a participação das organizadas nos crimes.

LNET!: Além das brigas, quais os crimes que torcedores mais se envolvem?

Tem muita gente envolvida ao tráfico de drogas. E usam as torcidas para traficar e consumir drogas. E o tráfico, em todo o Brasil, deixa um rastro de mortes.

A fúria das torcidas

Amigos
Em 22 de agosto de 2010, Cristiano Assunção da Silva, 17 anos,
e Felipe Barbosa, 16 anos, foram mortos por torcedores do CRB.
Eles estavam em uma parada de ônibus com camisetas do CSA.    

Vingança
Em 17 de setembro, Stenio Marcos, 24 anos, foi assassinado por
vingança. Ligado à Comando Alvirubro, ele teria participado da
morte dos jovens em agosto. Sete dias depois, Jarbas Ferro, 26
anos, foi morto pelo mesmo motivo.

No ônibus
No dia 10 de outubro, Mikael dos Santos, 16 anos, torcedor do
CSA, foi baleado dentro de um ônibus indo ao estádio.

Esfaqueado
No dia 7 de novembro, Alexsandro Bonfim, 31 anos, foi
esfaqueado por torcedores do CSA.

Primeira morte do ano
Adriano de Freitas, 20 anos, foi morto por torcedores do CSA em
16 de janeiro de 2011. Ele era ligado à torcida do CRB.

Leia mais: Autoridades se mobilizam contra violência em Alagoas

Uma janela foi aberta com a versão para impressão
Caso não tenha aberto, clique aqui para abrir novamente