Emoção marca partida de 12 militares do Exército de Alagoas para o Haiti

Eles vão ajudar o país devastado pelo terremoto

01/02/2010 15h41
Josenildo Törres

Emoção marcou despedida de militares alagoanos (Crédito: Tudo na Hora)
Emoção marcou despedida de militares alagoanos (Crédito: Tudo na Hora)

Exatos 20 dias após o terremoto que arrasou o Haiti, o 59º Batalhão do Exército de Alagoas enviou 12 militares para o país que é considerado o mais pobre das Américas. Em meio às lagrimas dos familiares, eles viajaram de Maceió com destino ao Recife (PE), nesta segunda-feira, onde serão treinados e receberão equipamentos para atender às vítimas da catástrofe.

 

Mesmo diante do cenário de destruição que irão encontrar, o chamado para a Missão do Haiti comoveu um número recorde de militares. Mas a grande receptividade ao chamado foi barrada por uma exigência: foram selecionados apenas àqueles que já estiveram no país antes do terremoto, que atingiu sete pontos na Escala Richter e resultou na morte de mais de 100 mil pessoas.

 

“Para a nossa surpresa, muitos militares se mostraram dispostos a ir ao Haiti, neste momento de devastação, mas, por precaução, selecionamos apenas àqueles que já estiveram por lá e conhecem a realidade cruel de subdesenvolvimento. Até porque, a situação por lá piorou e, apenas quem já conhece o seu território e a situação de guerra, estará preparado para agir”, observou o tenente coronel Cristiano Pinto Sampaio.

 

Exemplo
Entre os 12 militares que viajaram na tarde desta segunda-feira está o sargento Marcondes, que já esteve no Haiti em 2006. Contando com o apoio incondicional da família, ele superou o medo e afirmou estar pronto para encontrar uma realidade de caos e miséria. 

 

“Quando estive lá, há quase quatro anos, já pude verificar que o país é extremamente pobre e subdesenvolvido. Minha esposa e meus três filhos ficaram temerosos, mas os mostrei que a minha missão, neste momento, representa um marco para a minha carreira no Exército e a oportunidade de fazer o bem a quem perdeu tudo”, relatou emocionado.

Uma janela foi aberta com a versão para impressão
Caso não tenha aberto, clique aqui para abrir novamente