Procon divulga lista de materiais escolares que não podem ser pedidos

22/11/2010 10h45
Da Redação

Loja de material escolar (Crédito: Divulgação)
Loja de material escolar (Crédito: Divulgação)

O Procon divulgou, nesta segunda-feira (22), a lista de materiais escolares que não podem ser pedidos pelas escolas aos pais durante a matrícula dos estudantes para o ano letivo 2011.

Segundo o órgão de proteção do consumidor, as escolas apenas podem pedir materiais de uso pedagógico do aluno. Mesmo nestes casos, os colégios não podem exigir dos pais a aquisição de produtos de uma marca específica.

Os pais que receberem listas com algum material que não pode ser exigido deve explicar a escola que o produto não pode ser solicitado, mas caso não haja negociação, deve denunciar o caso ao Procon.

MATERIAIS ESCOLARES QUE NÃO PODEM SER PEDIDOS PELAS ESCOLAS

1. Álcool hidrogenado

2. Algodão

3. Bolas de sopro

4. Canetas para lousa

5. Copos descartáveis

6. Cordão

7. Creme dental

8. CD*

9. Elastex

10. Esponja para pratos

11. Estêncil a álcool e óleo

12. Fita para impressora

13. Fitas decorativas

14. Fitilhos

15. Giz branco e colorido

16. Grampeador

17. Grampos para grampeador

18. Lenços descartáveis

19. Medicamentos

20. Papel higiênico

21. Papel convite

22. Papel ofício colorido

23. Papel ofício** (230x330)

24. Papel para impressoras

25. Papel para copiadores

26. Papel para enrolar balas

27. Pegador de roupas

28. Plásticos para classificador

29. Pratos descartáveis

30. Sabonetes

31. Talheres descartáveis

32. Tonner para impressora

*CD é permitido para escolas que não adotam livros didáticos.

** Papel ofício (230x330) é permitido apenas para escolas que trabalhem com apostilas e Xerox.

MATERIAIS ESCOLARES QUE PODEM SER PEDIDOS COM RESTRIÇÕES

1. Cola branca (Máximo 2 unidades)

2. Cola de isopor (Máximo 2 unidades)

3. Emborrachado – EVA (Máximo 3 unidades)

4. Glitter (Máximo 3 unidades)

5. Massa de modelar ( Máximo 3 unidades)

6. TNT (Máximo 1 metro)



Fonte: Com assessoria

Uma janela foi aberta com a versão para impressão
Caso não tenha aberto, clique aqui para abrir novamente