Fiscalização flagra descumprimento da lei da fila em bancos de Maceió

08/11/2011 11h32
Da Redação

Filas enormes se formam na agência (Crédito: Tudo na Hora)
Filas enormes se formam na agência (Crédito: Tudo na Hora)

Uma ação conjunta entre o Instituto Sal da Terra, Sindicato dos Bancários e Alagoas e Superintendência Municipal de Controle do Convívio Urbano (SMCCU) iniciou uma fiscalização nas agências bancárias de Maceió para verificar se a lei da fila está sendo cumprida. Várias irregularidades foram constatadas durante a vistoria.

A lei preconiza que cada cliente só pode esperar por atendimento na fila durante 20 minutos. Caso esse tempo seja ultrapassado, é possível denunciar o caso à SMCCU e entrar com uma ação judicial pedindo indenização por danos morais e materiais. "São várias as denúncias recebidas e, por isso, convocamos órgãos responsáveis para esta fiscalização", explicou o presidente do Instituto Sal da Terra (Salt), João Luiz Valente.

A entidade entrou com uma ação coletiva contra todos os bancos da capital pedindo o cumprimento da lei da fila, além da instalação de banheiros, de bebedouros e cadeiras dentro das agências. "Também pedimos uma penalidade de R$ 300 mil para cada agência que descumpra a lei", explicou João Luiz Valente.

Diretores do Sindicato dos Bancários também acompanharam a vistoria nas agênciass. Eles confirmaram as denúncias de descumprimento da lei da fila e de que poucas agências entregam senhas para que os clientes possam controlar o tempo em que esperam o atendimento.

"Mas falta também uma maior fiscalização por parte dos órgãos de controle e da própria população. Muita gente fica horas na fila e depois que são atendidas simplesmente vão embora sem nada denunciar", lamentou Ismael Monteiro.

Na agência do Bradesco, da Rua do Livramento, foram encontradas várias irregularidades. A primeira delas foi a falta de acessibilidade para cadeirantes, além do desrespeito ao tempo do horário na fila. "Na senha entregue tem apenas o horário de entrada, mas não está sendo registrada a hora da saída", afirmou João Luiz Valente, acrescentando, ainda, que o cartaz sobre a lei da fila está em local de difícil visualização pelos clientes.

A aposentada Maria Antônia do Nascimento, de 71 anos, contou que fazia mais de 2 horas que estava na fila. Ela contou que tem problemas de coluna e que passa pelo mesmo drama todos os meses. "Não sabia que existia esta lei", admitiu a correntista.

O banco foi notificado pela SMCCU e terá um prazo para corrigir as irregularidades. Caso volte a descumprir o que manda a lei, a penalidade pode chegar ao fechamento da agência.

 

Uma janela foi aberta com a versão para impressão
Caso não tenha aberto, clique aqui para abrir novamente