Mulher enviou mensagem de texto à "rival" antes de incendiar casa; leia aqui

23/01/2013 13h51
Da Redação

Mensagem de texto enviada por Maria Severina antes de tentar matar o marido (Crédito: TNH1)
Mensagem de texto enviada por Maria Severina antes de tentar matar o marido (Crédito: TNH1)

Maria Severina da Silva, 32 anos, enviou uma mensagem de texto para o celular de Maxciliane Correia de Araújo, então esposa do seu ex-marido, Jairo Lacerda Guerra, horas antes de tentar matá-lo. Dois dias depois da primeira tentativa, na madrugada do último dia 16, Maria Severina ateou fogo na própria casa, matando Jairo, o filho do casal - Arthur Gabriel Lacerda da Silva, de 8 anos - e a ela própria. A tragédia chocou a população e intrigou a polícia, que diz não ter visto caso tão "inusitado" nos últimos anos.

No texto, a motivação de Maria Severina fica clara. Inconformada com a separação, a ex-esposa avisa a Maxciliane que Jairo estava na casa dela e que eles ficariam juntos para sempre. "Você bem q tentou, mas não consegiu nus [sic] separar, hoje e sempre Eu Jairo e nosso filho ficaremos juuuuntos p/ seeeempre ele esta [sic] aqui comigo e meu filho", diz a mensagem.

A mensagem enviada para o celular e a Certidão de Casamento com Jairo foram levadas por Maxciliane ao delegado Jobson Cabral na manhã desta quarta-feira (23).

No depoimento, Maxciliane contou que o marido foi dopado por Maria Severina na primeira tentativa de incendiar a casa. A então esposa pediu para Jairo ter cuidado durante a visita ao filho, que morava com a ex-mulher.

De acordo com o delegado Jobson Cabral, responsável pelo caso, consta nos autos da investigação que Maria Severina dopou novamente Jairo e a criança durante o jantar, antes de colocar fogo na casa na quarta-feira (16). Cabral disse que Maria Severina tomava Clonazepan, um remédio tranquilizante usado no tratamento de depressão.

A polícia também recebeu uma carta encontrada entre o que restou da casa destruída pelas chamas. A carta, segundo o delegado, foi escrita por Maria Severina. Nela, a mulher conta para uma amiga os planos de pôr fim à sua vida e a de seus familiares.

No texto, Maria Severina diz que está sendo covarde mas que não vê solução para sua vida. “Por diversas vezes tentei sair dessa situação mas Jairo não deixava”, diz a carta. “Vou fazer a única coisa que mim [sic] resta vou tirar a minha vida mais [sic] não posso morrer em paz sabendo que meu filho vai ficar sofrendo no mundo sem pai e sem mãe”.

Maria diz que o marido a traía, não saía da casa em que ela morava e não a deixava viver sozinha com o filho. No final do texto, ela pede que a carta seja entregue à polícia.

Nesta quarta-feira (23), a polícia divulgou a carta escrita por Maria Severina. Confira o texto na íntegra:

carta

carta

Lembre o caso

Baseado em relatos de testemunhas e dos próprios familiares, o delegado Jobson Cabral afirmou, um dia após o incêndio, que Maria Severina premeditou o crime. Para o delegado, a mulher trancou a casa e, no quarto de casal, ateou fogo aos corpos do ex-marido, do filho e de si própria na madrugada da quinta-feira (16).

Uma amiga de Severina disse, no velório da família, ter recebido uma ligação da mulher, afirmando que possuía gasolina em casa e que havia planejado o incêndio com todos dentro da residência. 

Em depoimentos, os vizinhos também reforçaram a versão de que o fogo foi provocado por Maria Severina, que teria chamado Jairo até a casa, alegando que o filho do casal estava doente. De acordo com os vizinhos, quando ele chegou ao local, uma forte discussão foi iniciada, seguida pelo incêndio.

A polícia e o Corpo de Bombeiros encontraram as portas da casa trancadas. As chaves do imóvel foram encontradas no quintal da residência.

Uma janela foi aberta com a versão para impressão
Caso não tenha aberto, clique aqui para abrir novamente