Criança prematura nasce em frente à maternidade em ambulância do Samu

04/11/2013 20h57
Da Redação

Com fortes dores, Erivânia e sua filha demoraram para ter atendimento (Crédito: Divulgação )
Com fortes dores, Erivânia e sua filha demoraram para ter atendimento (Crédito: Divulgação )

Mais um caso chamou a atenção para o problema da saúde em Alagoas. Erivânia da Silva deu à luz a uma menina prematura de sete meses dentro de uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), em frente ao Hospital Maternidade Santa Mônica, na noite deste domingo (03). A causa do parto dentro da ambulância foi a falta de atendimento gerada pela superlotação de bebês na instituição, segundo a família da mãe da criança, como mostrou a reportagem do Fique Alerta da TV Pajuçara.

De acordo com uma irmã de Erivânia da Silva, que não foi identificada, as contrações e dores começaram no final da tarde e pareciam ser normais, porém elas começaram a aumentar e foi necessário acionar o Samu que encaminhou as duas, mãe e filha, para a maternidade.

“Chegamos à maternidade e, de cara, fomos barradas, a médica disse que não poderia nos receber e fez até um B.O [Boletim de Ocorrência] para não comprometê-la. Ela reforçou que não tinha condições de atender a minha irmã”, comentou. 

Por falta de vagas na Santa Mônica, a gestante foi encaminhada para a Maternidade Nossa Senhora da Guia, considerada para gestantes de baixo risco. Lá ela foi diagnosticada com gravidez de alto risco e retornou à Maternidade Santa Mônica, referência em Alagoas por realizar partos com esse perfil. 

A enfermeira do Samu, que acompanhou Erivânia, falou que ao chegar pela segunda vez na maternidade, a grávida começou a entrar em trabalho de parto, tendo a filha de sete meses ali mesmo, permanecendo dentro da ambulância sem atendimento nenhum. 

“Aparentemente a mãe e o bebê estão bem, mas só os especialistas podem dar o parecer e avaliá-los”, comentou a enfermeira dizendo que a médica obstetra atenderia a mãe, porém a pediatra, inicialmente, não quis avaliaria o bebê que ainda estava sujo.

A equipe do Fique Alerta, como mostra o vídeo, tentou falar com alguém da Maternidade Santa Mônica, mas ninguém atendue e o acesso da equipe foi barrado pela diretoria do hospital.

Caso de Polícia

Para que a criança fosse atendida, foi preciso uma intervenção da Polícia Militar. Só assim a pediatra avaliou a criança, que depois foi encaminhada para a maternidade de baixo risco onde recebeu outros cuidados. Pela avaliação médica, a mãe que deu à luz na ambulância do Samu estava bem e não apresentava riscos de morte. 

Confira a reportagem do Fique Alerta:

Uma janela foi aberta com a versão para impressão
Caso não tenha aberto, clique aqui para abrir novamente